Sexta-feira, 30 de Maio de 2008

Nuke the Fridge

Gostava de falar pessoalmente com o George Lucas e o Steven Spielberg para saber o que ia naquelas cabecinhas quando resolveram incluir no filme Indiana Jones e a Caveira de Cristal a famigerada cena do frigorífico.

 

Para quem não sabe ou não viu o filme e, correndo o risco de estragar a surpresa, vou dizer o que se passou. Atenção aos spoilers.

Indiana Jones foge dos soldados russos que invadiram o armazém e vai parar a uma pequena zona habitacional no meio do deserto repleta de bonecos de teste. Ao aperceber-se que está numa zona de testes nucleares Indiana decide procurar abrigo para a explosão que irá ocorrer nos próximos segundos. O único sítio que encontra é um frigorífico revestido a chumbo (como Spielberg faz questão de mostrar para justificar a escolha). Indiana entra lá para dentro e segundos depois a bomba explode. As casas, os carros e os manequins são desfeitos com a onda de choque mas o que vemos nós? Um carro onde alguns soldados russos vão a fugir é atingido pelo sopro da explosão e desaparece, enquanto mais acima vemos o frigorífico a voar a alta velocidade. O frigorífico cai alguns quilómetros mais à frente e o Indiana Jones sai lá de dentro sem qualquer ferimento e fica a observar o cogumelo atómico que se eleva. Como não estavam satisfeitos com a estupidez da cena resolvem colocar uma toupeira/marmota(?) CGI a olhar em estado de choque  para o Indiana quando este sai do frigorífico.

 

É melhor verem:

 

 

O curioso nisto tudo é que já existe uma expressão usada pelo público de cinema e tv americanos que é "Jump the Shark", que é usada quando uma cena é ridícula e inverosímil. Essa expressão foi tirada da série "Happy Days", quando Fonzie faz ski aquático e salta por cima de um tubarão. Actualmente já se diz que essa expressão foi substituída por "Nuke the Fridge".

 

Não tenho o hábito de analisar os filmes para verificar o que é possível ou não. Dependendo do tipo de filme vejo-o sem qualquer preconceito e entro no espírito do filme.  E a série Indiana Jones é um caso à parte. A grande diferença entre este filme e os outros três tem a ver com a tecnologia actual. Enquanto que os outros filmes foram feitos recorrendo a duplos, cenários reais e maquetes, conferindo uma maior credibilidade às cenas, este abusa dos efeitos CGI aliado a um argumento pouco inspirado. Neste filme as coisas acontecem porque sim e não há qualquer explicação do porquê e do como.

Até mesmo pequenos erros históricos como o aparecimento de um RPG-7 que naquela altura ainda não existia ou então quando vemos na mota do Mutt um sistema de travões que é actual pensamos que os criadores não se esforçaram muito para dar credibilidade ao filme.


publicado por LuisM às 11:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.Outubro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Últimos Posts

. Nuke the Fridge

.Links

.Arquivo

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.subscrever feeds

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

SAPO Blogs